Hoje veio cá lanchar | Acushla

Estamos a caminhar a passos largos para o Natal, e apesar de o azeite ser (praticamente, a única) gordura presente na cozinha da família Alecrim durante todo o ano, neste altura ganha uma importância ainda maior. É a ele que compete dourar o nosso fiel amigo bacalhau e contribuir para tornar a Consoada o que ela deve ser: prazerosa e tradicional.

“Hoje veio cá lanchar” a Dr.ª Ana Monteiro,  da Acushla, a marca que dá nome a um azeite biológico virgem extra, altamente galardoado nacional e internacionalmente. O azeite Acushla é um produto DOP (Denominação de Origem Protegida) de Trás-os-Montes, extraído de variedades de oliveiras típicas desta zona – cobrançosa, madural, verdeal e cordovil.

Nasceu da paixão de Joaquim Moreira (CEO) pela produção olivícola e hoje o azeite Acushla provem de uma plantação com cerca de 14 hectares de olival centenário e 200 hectares de olival novo, onde imperam preocupações ambientais e de sustentabilidade.

Começamos a nossa conversa com a pergunta habitual: De onde surgiu o nome Acushla?  E a explicação da Dr.ª Ana não podia ter sido mais deliciosa  “Acushla é uma expressão de origem celta que significa “o bater do coração” e que pretende transmitir toda a paixão com que nasceu e vive este nosso projecto“.

Sabendo nós, Família Alecrim, que a paixão é um ingrediente central para o crescimento deum projeto, surgiu-me de imediato a questão seguinte. Como cresceu o Acushla? Têm sentido diferenças na procura do azeite Acushla ao longo dos anos? Felizmente a procura tem vindo a aumentar, sentimos que cada vez mais o Acushla começa a ser conhecido e reconhecido tanto a nível nacional como internacional e aqui, sem dúvida, que os prémios que temos ganho (só este ano foram 15) têm muita importância”.

A minha curiosidade foi então aguçada: que outros países já se renderam, como nós, ao Acushla? Qual o feedback que recebem?  Nomeadamente o Brasil, o Canadá e vários países da Europa. O feedback é muito positivo e o Acushla já tem muitos clientes fieis além fronteiras.

Estes dados relativos à procura do azeite Acushla, fizeram-me pensar em todas as particularidades que a determinam e de que forma é que o produtor lida com as mesmas. Assim, questionei a Dr.ª Ana sobre quais são, do ponto de vista de um produtor, as características do azeite que mais condicionam a procura. Em muitos mercados o consumidor está ainda em fase de aprendizagem em relação ao azeite. Muitos procuram ainda preço por achar que o azeite é todo igual.” E como responde a Acushla a esta visão?  Para uma marca como a nossa, que aposta fortemente na qualidade, no design e que se posiciona como um azeite premium há um caminho ainda longo a percorrer que passa muito por “instruir” o consumidor sobre a qualidade do azeite e todas as suas características organoléticas.”

A pergunta seguinte surgiu, então, naturalmente:  o que é que, aa sua opinião da Dr.ª Ana, mais distingue o azeite Acushla? A resposta foi peremptória (e óbvia, acrescento eu) A capacidade de ter um azeite biológico de excelência aliado a um design único.

Este design foi também um ponto da nossa conversa. O packaging do Acushla é verdadeiramente diferenciador, aliando as características necessárias para garantir a qualidade do azeite e também questões de design que tornam qualquer cozinha e mesa mais elegante.

O Acsuhla esta disponível em bag-in-box, em lata, em garrafa e também numa sport edition. O que levou a Acushla a fazer o lançamento de uma sport edition? E, mais uma vez, a resposta veio reforçar toda a dedicação da Acushla Para termos um azeite com as características do Acushla a colheita é feita muito cedo. Um azeite verde é mais rico em polifenóis e vitamina E. Com base nestas duas características decidimos lançar um azeite dedicado aos apaixonados por fitness e desporto já que a combinação de ambas ajudam a potenciar a força e resistência física. Depois decidimos “brincar” com o packaging, associando o azeite a uma embalagem tipicamente ligada ao desporto. A ideia é que as pessoas possam posteriormente reutilizar a garrafa em idas ao ginásio, por exemplo. Depois de lavada na máquina, fica perfeita para reutilizar!

Já no fim da nossa conversa, e também quase em fim de ano, quis saber como perspetiva o crescimento e o futuro do Acushla? Perspetivamos ser o maior produtor em modo biológico da região de Trás-os-Montes com uma produção estimada de 250.000 litros de azeite por ano. Queremos ser a escolha dos melhores apreciadores de azeite em todo o mundo.

Escusado será, então, contar-vos o que acompanhou o nosso pão neste lanche … um maravilhoso azeite Acushla.

Um enorme obrigada à Dr.ª Ana Monteiro e à Acushla!

Até ao próximo lanche!

Mãe Alecrim

Por |2017-11-16T16:42:58+00:0016 de Novembro de 2017|Hoje veio cá lanchar|3 Comentários

Sobre o Autor:

Mae
Para além da sua formação, sabe também tudo aquilo que nunca ninguém ensina ou ensinou. É a mãe. É o sexto sentido, o carisma e o savoir-faire que com a idade sabemos que são indispensáveis (e insubstituíveis).

3 Comments

  1. Manuel Rocha 12 Dezembro, 2017 em 14:36 - Responder

    Boa Tarde. Gostei bastante de ler esta entrevista, assim como a do chá Gorreana. Parabéns pelo trabalho que têm feito.
    Surgiu-me uma questão que agradeço se puderem ajudar. Como é que um azeite é biológico ou não biológico? Obrigado.

    • Mae
      Mae 13 Dezembro, 2017 em 16:34 - Responder

      Muito obrigada pelo seu comentário. A família Alecrim fica muito feliz por saber que acompanha e aprecia o nosso trabalho.
      Quanto à sua questão, vou pedir à nossa nutricionista que passe por aqui! Ela, com certeza, dará uma resposta mais completa!

  2. Nutricionista
    Nutricionista 18 Dezembro, 2017 em 17:10 - Responder

    Olá! Muito obrigada por acompanhar o trabalho da família Alecrim e pela sua questão.
    O que distingue o azeite biológico é essencialmente a forma de cultivo da oliveira. Na produção biológica não podem ser usados qualquer tipo de químicos como pesticidas, sendo necessário comprovar esta mesma inexistência através de análises para que se possa obter a certificação de produto biológico para comercialização.

Deixe o seu comentário